Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]



A República da Índia será a 25ª delegação a entrar na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, na noite de 23 de julho de 2021. A região onde fica o país é habitada desde a antiguidade. A Civilização do Vale do Rio Indo se estendia por boa parte do subcontinente indiano, do Oeste da Índia até o Nordeste do Afeganistão, e formaram os primeiros assentamentos urbanos do Sul da Ásia.

Ao longo do tempo, vários reinos e pequenos estados surgiram no território indiano. Eles foram unificados pela primeira vez sob o domínio de Chandra Gupta, primeiro governante do Império Mauria. Posteriormente, a Índia deu origem a novos estados na área como o Sultanato de Déli e o Império Mogol.

Shah Jahan, imperador mogol, mandou construir o Taj Mahal para a princesa Mumtaz Mahal

A colonização europeia começou no final do século XV, após Vasco da Gama descobrir uma rota marítima ligando a Europa e a Índia, contornando o continente africano. Nos séculos seguintes, a costa indiana foi tomada por postos comerciais de potências europeias como Portugal, os Países Baixos e o Reino Unido. Em 1858, o governo britânico assumiu o controle da Índia

Os movimentos de independência começaram em 1885, com a fundação do Congresso Nacional Indiano, partido político mais antigo do país. Em 1921, a liderança do partido seria assumida por Mahatma Gandhi, que através de um movimento de resistência não violento liderou a Índia rumo ao autogoverno. 

Após a Independência, em 1947, os territórios do Reino Unido na região foram divididos em dois domínios: a Índia, de maioria hindu, e o Paquistão, de maioria muçulmana. Alguns anos depois, a porção oriental do Paquistão deu origem a Bangladesh.

A Índia contemporânea é uma República Parlamentarista e é a sexta maior economia do mundo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). O crescimento econômico veio a partir da década de 1990 com uma série de reformas econômicas que transformaram o país em um dos que mais cresce no mundo.

TRAJETÓRIA OLÍMPICA



A primeira participação indiana nos Jogos Olímpicos foi em Paris 1900, com apenas um atleta. Norman Pritchard participou de cinco provas do atletismo e ganhou duas pratas, nos 200m rasos e nos 200m com barreiras (prova disputada apenas nas Olimpíadas de 1900 e 1904). Após essa primeira aparição, a Índia voltaria à Olimpíada nos Jogos da Antuérpia, em 1920. O país participou de todas as edições seguintes.

O primeiro ouro veio nos Jogos de Amsterdam em 1928, no hóquei sobre grama masculino. A conquista deu início a uma série de seis títulos seguidos da Índia no torneio olímpico da modalidade. O último ouro indiano do hóquei veio na Olimpíada de 1980, em Moscou. Você pode conhecer mais sobre a história do hóquei sobre grama indiano lendo o nosso Surto História sobre o tema, clicando aqui.

Após os Jogos de Moscou, a Índia enfrentou uma seca de medalhas que seria quebrada em Atlanta 1996, com o bronze de Leander Paes no tênis. Na Olimpíada seguinte veio a primeira medalha feminina. Karnam Malleswari levou o bronze no levantamento de peso até 69kg, na Olimpíada de Sydney, em 2000. Nos últimos três Jogos Olímpicos, as medalhas da Índia vieram das lutas, do tiro e do badminton.

ESPORTES MAIS POPULARES


+ Hóquei sobre grama


O Hóquei sobre grama é o esporte de maior sucesso da Índia. A seleção masculina do país ganhou 11 medalhas em Jogos Olímpicos, sendo oito de ouro, uma de prata e duas de bronze. A equipe também foi campeã mundial em 1975. A seleção feminina tem menos resultados expressivos, tendo participado de duas Olimpíadas anteriormente. As indianas ficaram em quarto lugar em Moscou-80 e em décimo-segundo (e último) lugar na Rio-2016.

Seleção indiana ouro em Moscou - Foto: Reprodução/ITAR-TASS

As duas seleções se classificaram para Tóquio 2020. Os homens estão no grupo com Argentina (atual campeã), Japão, Austrália, Nova Zelândia e Espanha. Já a seleção feminina vai enfrentar Países Baixos, Alemanha, Grã-Bretanha (atual campeã), Irlanda e África do Sul na fase de grupos. 

+ Críquete


O críquete é o esporte mais popular da Índia. O país já foi campeão mundial masculino em 1983 e 2011 e vai ser sede da próxima Copa do Mundo, em 2023. Atualmente os indianos estão na segunda colocação do Ranking Mundial. Entre as mulheres, o melhor resultado da Índia em Copas do Mundo foi o segundo lugar, por duas vezes, incluindo a última edição, em 2017.

Mumbai Indias comemorando o título da Premier League de 2020 - Foto: BBCI/IPL

A Premier League Indiana de Críquete é a principal liga nacional do esporte no mundo. O atual campeão é o Mumbai Indians, que levou seu quinto título em 2020, após derrotar o Dehli Capitals na final.


DESTAQUES INDIVIDUAIS


Pursala Venkata Sindhu - badminton


Campeã mundial em 2019, Sindhu é a principal estrela do esporte indiano na atualidade. No ano do seu título mundial ela entrou para a lista da revista Forbes das atletas mulheres mais bem pagas do mundo.

P.V. Sindhu em ação na final da Rio-2016. Foto: Marcelo del Pozo/Reuters

Na Rio 2016 ela ficou com a medalha de prata, perdendo a final para a espanhola Carolina Marín por 2 sets a 1. Atualmente ela é a sétima colocada do ranking mundial e deve ser cabeça de chave em Tóquio.

Neeraj Chopra - atletismo


Atual recordista mundial júnior do lançamento do dardo com 86.48, foi Campeão Mundial sub-20 em 2016. Em 2018 venceu os Jogos Asiáticos e os Jogos da Comunidade Britânica e ainda terminou em quarto lugar na classificação geral da prova na Diamond League. 

Chopra em ação nos Jogos Asiáticos de 2018, em Jakarta, na Indonésia. 
Foto: Xinhua/IANS photo

Manu Bakher - Tiro esportivo


Campeã dos Jogos Olímpicos da Juventude de Buenos Aires, em 2018, Bahker tem apenas 19 anos e já tem vários títulos importantes no currículo. Em 2019 ela venceu o Campeonato Asiático e a etapa final da Copa do Mundo. A atleta foi selecionada para fazer parte da forte equipe de tiro da Índia  em Tóquio 2020 e vai disputar três provas: pistola de ar 10m, pistola rápida 25m e a pistola de ar 10m mista, fazendo dupla com Saurabh Chaudhary.

Manu Bakher com sua medalha conquistada na Copa do Mundo Júnior
 de Sydney, em 2018. Foto: Rajya Sabha TV/GODL-India

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]